Força deixa divisas até domingo e vai para a capital do RJ

Cento e setenta homens da Força Nacional da Segurança (FNS) vão deixar, a partir de sexta-feira, as divisas do Estado do Rio de Janeiro com São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo para começar a atuar na região metropolitana do Rio, informou na noite de quarta-feira a Secretaria de Segurança Pública. A operação de deslocamento deve acontecer até domingo e, antes de atuar na região, as tropas passarão por um treinamento com o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope). A previsão da Secretaria de Segurança Pública é que um segundo pelotão da Força Nacional seja deslocado para as divisas do Estado. A Força Nacional vai ficar no Rio de Janeiro até os Jogos Pan-Americanos. Durante os Jogos, devem participar da operação de segurança cerca de 6 mil homens da Força Nacional. As tropas federais começaram a agir nas divisas do Estado do Rio em janeiro, em 42 pontos móveis. Até agora, não houve nenhuma prisão ou apreensão expressiva. "Sabemos que não houve ainda grandes apreensões, mas o fato de a polícia estar ostensivamente nas estradas inibe a entrada de drogas e armas no Estado. Também é importante a presença da força porque infunde naquelas regiões e nas pessoas que passam por ali a sensação de segurança", disse o subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Secretaria de Segurança Pública, Roberto Sá. BO de turistas Após mais uma série de assaltos a turistas, o governo do Rio anunciou na quarta-feira que estrangeiros terão ?tratamento especial? no registro de ocorrências: serão atendidos nos hotéis. Na prática, é um ?B.O. Delivery?. ?É elegante que se faça isso, diante da situação que a pessoa (turista) está passando?, disse o secretário de Turismo, Eduardo Paes. Ele tentou minimizar o assalto a um ônibus que saiu do Aeroporto Internacional Tom Jobim para a zona oeste da cidade, na terça-feira, quando turistas estavam dentro do coletivo.

Agencia Estado,

01 Fevereiro 2007 | 09h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.