Força Nacional estende patrulhamento em estradas no Rio

A Força Nacional de Segurança (FNS) estendeu até domingo o patrulhamento nas mais importantes vias expressas e estradas do Rio de Janeiro para prevenir possíveis assaltos contra os viajantes que retornam à cidade depois do feriadão de carnaval. A operação, que terminaria nesta quinta-feira e havia mobilizado, desde terça-feira, 150 homens da FNS, terá o reforço de mais 50 policiais. Eles vão vigiar as linhas Vermelha e Amarela, a Avenida Perimetral (que liga o centro à Avenida Brasil), o Aterro do Flamengo e as rodovias Rio-Santos e Niterói- Manilha. O turno de trabalho será das 20 até as 6 horas. O comandante da Força, coronel Aurélio Ferreira, participará hoje de uma reunião na Secretaria de Segurança do Rio para definir outros pontos estratégicos a serem patrulhados. "A Avenida Brasil (que liga a zona norte ao centro da cidade) é um dos pontos", adiantou. Ele conversou ontem com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e ambos constataram que o resultado da operação foi positivo. "As vias não foram fechadas, não houve assalto e nem arrastão durante o Carnaval. Se não prendemos ninguém, coibimos uma série de assaltos que poderia ter acontecido", afirmou. "Em time que está ganhando não se mexe. Ainda teremos, no fim de semana, o desfile das escolas de samba campeãs no Sambódromo e o retorno de muitos cariocas para as suas casas. Junto com a polícia local, daremos tranqüilidade à população, que está gostando da nossa presença", declarou o comandante, anunciando que o patrulhamento vai ser intensificado com o reforço de mais 50 policiais. Segundo o policial militar, a mobilização das tropas vai depender do fluxo do trânsito. "Onde houver mais carros circulando, haverá mais policiamento. O importante é que as pessoas cheguem bem em casa", declarou. Atuação desde janeiro Enviada a pedido do governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), a Força chegou ao Estado em janeiro. De início, atuou somente nas divisas fluminenses, onde apreendeu dez quilos de maconha e 75 celulares sem nota fiscal. Em fevereiro, instrutores do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) treinaram parte da tropa da FNS, na Favela Tavares Bastos (zona sul), considerada tranqüila, para atuar em áreas de risco da capital. Na semana passada, integrantes da Força participaram de uma operação policial no Complexo do Alemão (zona norte), que deixou seis mortos e dois feridos. Eles patrulharam somente o entorno do complexo e trocaram tiros com os traficantes, que lançaram bombas contra a tropa, incendiaram barracas de camelôs e dispararam em transformadores de energia.

Agencia Estado,

22 Fevereiro 2007 | 19h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.