Força Nacional ocupa favelas do Rio e vistoria até crianças

Tiroteio com traficantes fechou comércio da região, mas ninguém ficou ferido

Agencia Estado

15 de junho de 2007 | 02h51

Uma megaoperação da Força Nacional de Segurança (FNS), com pelo menos dez Batalhões da Polícia Militar (PM), realiza desde às 8h50 desta quarta-feira, 12, a ocupação das favelas do Complexo do Alemão na zona norte do Rio de Janeiro. Foram registrados confrontos em vários pontos do conjunto de favelas.Na favela da Grota, homens da FNS ocupavam os acessos e a PM realizava operação de vasculhamento no interior da comunidade. Comércio e escolas foram fechados, homens, mulheres e até crianças eram revistados na entrada das favelas.Uma visita de parlamentares ao CIEP Gregório Bezerra no bairro da Penha, na zona norte, também foi suspensa por conta da operação.Apesar do confronto, até às 10 horas não havia registros de feridos. Duzentos e cinqüenta homens da Força Nacional, e 200 policiais militares participam da ação. Está é a primeira vez que a Força Nacional atua nas favelas do Rio desde que chegou ao Estado, no começo de 2007.O Complexo do Alemão foi ocupado há mais de um mês por homens da Polícia Militar, desde então, crianças estão sem aulas, 17 pessoas morreram nos conflitos e mais de 60 ficaram feridas.Na segunda-feira, 11, a reunião entre o comandante da PM do Rio, coronel Ubiratan Ângelo, e diretores das escolas públicas do Complexo do Alemão foi encerrada às pressas por causa de um tiroteio. O encontro ocorria em um centro social da Favela do Caracol e terminou sem consenso para a volta às aulas. De acordo com a Secretaria de Estado de Ação Social, as aulas devem voltar "aos poucos".Texto ampliado às 10h53 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.