Divulgação
Divulgação

Força Nacional prende homem que pretendia levar munições a Alcaçuz

Ítalo Gaspar da Costa foi encontrado com os objetos no lado externo do presídio; segundo a polícia, objetivo era arremessá-los para dentro da unidade

Marco Antônio Carvalho, Enviado especial de O Estado de S. Paulo

20 Janeiro 2017 | 08h43

NÍSIA FLORESTA - Agentes da Força Nacional de Segurança prenderam em flagrante na noite desta quinta-feira, 19, um homem que pretendia arremessar munições de arma de fogo para dentro da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na Grande Natal. A unidade passa por uma rebelião que se estende desde sábado, 14, quando 26 pessoas morreram.

Ítalo Gaspar da Costa, de 18 anos, foi encontrado no lado externo do presídio por viaturas da tropa federal cujo serviço é dedicado a rondas próximo às guaritas da unidade. Com o jovem, foram encontradas 26 munições calibre 38 e 28 munições 380.

A polícia acredita que as balas seriam entregues a integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), que integram o motim no presídio. Nesta quinta-feira, o PCC e o Sindicato do Crime do RN voltaram a se enfrentar em uma disputa pela ocupação do pavilhão 3. O confronto deixou feridos, mas o governo do Estado não estimou a quantidade nem se os ferimentos incluem os provenientes de disparos de arma de fogo.

Costa foi levado para a Delegacia de Plantão da zona sul da capital potiguar, onde seria autuado pelos crimes de posse ilegal de munição e organização criminosa, já que as munições alimentariam o confronto dentro do presídio.

Na quarta-feira, 18, a Secretaria de Segurança Pública informou que, após revistas, foram retiradas da cadeia armas de fogo e armas brancas, não tendo informado a quantidade. 

Um disparo de arma de fogo que partiu de um detento assustou agentes penitenciários de uma das dez guaritas do presídio na manhã desta quinta. Entre eles, o diretor de Alcaçuz, Ivo Freire, que seria o alvo dos criminosos, que erraram o tiro, atingindo a parede atrás do funcionários. Freire passa bem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.