Força Sindical deve liberar lideranças para escolha entre Lula e Alckmin no 2º turno

A Força Sindical, segunda maior central de trabalhadores do País, deverá liberar suas lideranças para que escolham a quem apoiar no segundo turno das eleições entre os candidatos a presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB). A informação foi prestada nesta sexta-feira à Agência Estado pelos dirigentes da central.O presidente Força, deputado federal eleito Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, que também preside o PDT em São Paulo, vai apoiar o tucano Geraldo Alckmin, enquanto o secretário-geral da central, João Carlos Gonçalves, o Juruna, ficará ao lado de Lula."Não haverá racha na central porque é uma tradição do movimento sindical ser plural", justificou Juruna. "A tendência é que 70% dos dirigentes fiquem com Alckmin e os outros 30% apóiem Lula", adicionou Paulinho.A decisão será oficializada na próxima terça-feira, dia 10, às 10 horas, em plenária a ser realizada no Palácio do Trabalhador, sede da Força na capital paulista. Além da liberação das lideranças para apoiar o candidato de preferência de cada um, a central sindical também apresentará uma pauta única de reivindicação dos trabalhadores, contendo, entre outros pontos, a manutenção de direitos dos trabalhadores em uma eventual futura reforma trabalhista; a volta de um regime de previdência com direito a aposentadoria por tempo de contribuição, e não mais com estabelecimento de contribuição e idade mínima; e a adoção de uma política de recuperação contínua do salário mínimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.