Formada em junho, sonhava estudar em Londres

Jamile, de 24 anos, foi contratada pela imobiliária em julho, quando seu salário dobrou

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2015 | 00h00

Os sonhos de aperfeiçoar o inglês em Londres e de trocar o antigo Palio por um carro zero quilômetro foram interrompidos de maneira brutal. Jamile de Castro Nascimento, a jovem assassinada, era uma arquiteta que se formou no fim de junho na Universidade Anhembi Morumbi. Para que fosse efetivada na multinacional onde era estagiária concluiu uma especialização como avaliadora de imóveis. Tudo deu certo. A contratação aconteceu e há um mês e o seu salário dobrou.Amigos contam que nas últimas semanas Jamile não falava em outra coisa a não ser em estudar inglês fora do País para poder voltar ao Brasil e se tornar uma profissional conhecida na área de arquitetura. ''''Ela falava: ''''Gente! estou indo embora no fim do ano hein''''.'''', lembrou emocionada a amiga Érica Gumiero, de 27 anos.''''A Jamile era muito trabalhadora, queria crescer como profissional e ajudar a família a viver com melhores condições. Não tem nenhuma pessoa que não a elogie. Só temos guardadas boas lembranças da nossa amiga'''', disse Érica.Apesar de feliz e sempre sorridente, Jamile passou por momentos difíceis no começo do ano, quando seu noivo preferiu acabar com um relacionamento de três anos. ''''Depois do momento ruim ela estava em uma nova fase e agora tinha planos para a vida. Não estou acreditando no que aconteceu com ela'''', disse Érica.Em entrevista ao Jornal da Tarde no sábado, o pai da jovem, o bancário João Carlos de Castro, de 53 anos, disse que ainda acreditava que iria abraçar novamente a filha. ''''Ela (Jamile) deve estar em algum lugar, mas viva.'''' Ontem, depois do encontro do corpo de sua filha, seu João não quis falar.A arquiteta é a segunda dos quatro filhos de Nascimento. Um deles, o mais velho, tem 29 anos e estuda em Londres. A penúltima tem 21 anos e a caçula é uma menina de 11. ''''A Jamile vivia falando com o irmão pela internet e dizia que queria ir para lá no fim do ano'''', revelou o pai da garota.Nascimento contou que a filha era muito vaidosa, carinhosa com a família e muito preocupada em avisar onde estava. ''''Ela ligava de hora em hora para a mãe dela. Sempre dizia onde estava e quando voltaria para a casa'''', contou o pai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.