Fórum homenageia diretor da RCTV, fechada por Chávez

Empresário venezuelano não cita situação de seu país, mas critica os 'que não querem mudanças por medo de perder lugar'

Elder Ogliari, de Porto Alegre, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2010 | 00h00

O diretor-geral e presidente do conselho de administração da RCTV, Marcel Granier, que teve a concessão de suas emissoras na Venezuela cassada pelo governo de Hugo Chávez, foi homenageado ontem com o Prêmio Liberdade de Imprensa pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE), na abertura do 23.ª Fórum da Liberdade.

Ao agradecer a homenagem, o empresário venezuelano reiterou que "a liberdade é o bem mais precioso que o homem tem e por ele deve se sacrificar". Ele prometeu seguir lutando para derrotar "o fantasma do medo e do egoísmo".

"Há pessoas que não querem mudanças por medo de perder um lugar, um benefício", afirmou Grandier sem citar explicitamente a situação de seu país. "Muitas vezes por egoísmo não assumimos responsabilidades, preferindo delegá-las a outros ou ao Estado."

Este é o quarto ano em que a organização do evento entrega o Prêmio Liberdade de Imprensa. Nas três edições anteriores, os ganhadores foram Gilberto Simões Pires, Carlos Alberto Sardenberg e Roberto Civita.

Outro troféu, do Prêmio Libertas, destinado a empreendedores que se destacam no trabalho de valorização dos princípios da economia de mercado, existe há 14 anos. Desta vez o agraciado foi o fundador e presidente do Instituto Mises Brasil, Helio Beltrão Filho, que também integra o conselho de administração do Grupo Ultra.

A proposta do Fórum da Liberdade deste ano é debater seis temas para entender o mundo. Hoje, Rodrigo Constantino, João Quartim de Moraes e Juan Fernando Capio discutem Socialismo; Tom Woods, Stephen Kanitz e Ricardo Lopez Murphy abordam Inflação; Arthur Badin, Eduardo Marty e David Friedman tratam do Intervencionismo; Xingyuan Feng, Fernando Navarrete e David Neeleman debatem Investimento Estrangeiro e Jorge Gerdau Johannpeter, Jorge Quiroga e Fernando Henrique Cardoso discutem Política e Ideias. O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, também é convidado para proferir palestra especial.

Protesto. Cerca de 20 manifestantes ligados ao PCB, PSOL, PCR e PCML fizeram um protesto no local do evento. Gritaram palavras de ordem, distribuíram panfletos e deixaram o prédio sem entrar no salão, onde os inscritos já estavam acomodados para assistir às palestras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.