Fracassa recurso para anular 61 demissões

O Sindicato dos Metroviários não conseguiu anular na Justiça do Trabalho as 61 demissões anunciadas na semana passada pelo Metrô. Ontem, em audiência no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, a juíza Cátia Lungov entendeu que não há provas que liguem diretamente o desligamento dos 61 funcionários com a greve ocorrida nos dias 2 e 3 de agosto. Assim, ela não pode reverter a situação. O anúncio das demissões ocorreu três depois de a juíza ter considerado abusiva a paralisação. ''''Infelizmente, não conseguimos caracterizar que as demissões foram por causa da greve'''', disse o presidente do sindicato, Flávio Godoi.A juíza aceitou a argumentação dos representantes do Metrô, que alegaram que as demissões ''''decorreram de atividade normal da empresa, exercendo o regular poder diretivo que lhe é atribuído e que não guarda relação com a greve ocorrida'''', relata a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.