Thiago Ribeiro/Estadão
Thiago Ribeiro/Estadão

Fragmentos de crânio são encontrados em meio aos escombros do Museu Nacional

No entanto, não existe confirmação se o material localizado é de Luzia, o fóssil mais antigo da América Latina

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2018 | 09h26

RIO - Três fragmentos de crânio foram encontrados em meio aos escombros do incêndio que destruiu o Museu Nacional/UFRJ, na noite de domingo, 2, e madrugada de segunda-feira,3, despertando as esperanças de que se tratasse de Luzia, o fóssil mais antigo da América Latina, com cerca de 12 mil anos. 

A assessoria do museu, no entanto, informou há pouco que não existe confirmação já que o material não foi ainda analisado e está cheio de fuligem. Além do mais, o museu tinha centenas das mais diversas coleções de fósseis humanos. 

A assessoria informou ainda que o crânio de Luzia não estava em exposição - justamente porque era muito requisitado por pesquisadores --, mas tampouco estava protegido num cofre. O osso estava em uma caixa de metal que, não se sabe ainda, se resistiria ao fogo.

Mais conteúdo sobre:
incêndio museu Museu Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.