Franca investiga quadrilha ligada ao tráfico de drogas

A polícia de Franca, região de Ribeirão Preto, está investigando a existência de uma quadrilha que recruta pessoas na região para o tráfico internacional de drogas, financiando as despesas das viagens à Europa. Na noite de domingo (19), agentes da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise), de Franca, prenderam em flagrante, no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, mãe e filho que iriam levar quase 1,4 quilos de cocaína para a Holanda. A droga, com 90% de pureza, estava no estômago de ambos, dentro de pequenas cápsulas envoltas por plástico e fita isolante. Ontem, outros dois integrantes da quadrilha foram detidos: o barbeiro José Joaquim de Matos, de 38 anos, e Marta Aparecida de Souza, de 29. Matos financiava os passaportes - requerimentos rasgados foram encontrados em sua lixeira, além de uma agenda com vários nomes - e fazia os testes com cápsulas de farinha de trigo nos pretensos transportadores da droga. E Marta providenciava o transporte para o exterior.Segundo o delegado João Walter Tostes Garcia, mais quatro ou cinco pessoas devem integrar essa quadrilha. Franca tem enfrentado vários problemas com o tráfico internacional de drogas, principalmente envolvendo nigerianos. "Mas existem cerca de 50 pessoas de Franca presos ou condenadas por tráfico de drogas no exterior", lembra Garcia.Maria Marta de Freitas, de 42 anos, e Luís Gustavo de Freitas Castro, de 18, presos no domingo, receberiam R$ 7 mil cada pelo tráfico. Eles retiraram seus passaportes na semana passada, na Polícia Federal de Uberaba (MG), mas já estavam sendo investigados pela Dise havia um mês, a partir de denúncias. Eles iriam para Amsterdã, levando, cada um, no estômago, 70 cápsulas de 10 gramas de cocaína. A droga, na Europa, seria supervalorizada pelo alto grau de pureza.O delegado da Dise, João Walter Tostes Garcia, com mandado de prisão temporária, flagrou mãe e filho no check-in, às 21 horas de domingo. A dupla não confessou, mas retornou para Franca. Ao chegar na cidade, Castro, que teve várias passagens pela polícia quando menor, havia vomitado nove cápsulas. Radiografias feitas em ambos constataram a presença das cápsulas com cocaína nos estômagos. Na bagagem, a polícia encontrou poucas roupas e US$ 2 mil em dinheiro, o que indicava o período curto da estadia dos francanos em Amsterdã.Policiais fizeram a escolta de mãe e filho na Santa Casa de Franca, durante a noite de anteontem (20) e a manhã de ontem (21), até que todas as cápsulas fossem expelidas, através de defecações. Maria Marta foi levada para o Presídio Feminino de São José da Bela Vista, enquanto seu filho foi conduzido à Cadeia Guanabara, em Franca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.