França não comenta o resgate dos corpos

Governo não falou sobre o resultado das buscas; imprensa recebeu anúncio com cautela

Andrei Netto, O Estadao de S.Paulo

07 de junho de 2009 | 00h00

O governo da França confirmou no início da noite de ontem que corpos de vítimas e destroços do Airbus A330 da Air France foram localizados no litoral do Brasil. A confirmação foi revelada pelas emissoras de TV France 2 e TF1, as duas mais importantes da França. No entanto, nenhuma autoridade do governo francês veio a público comentar o resultado das buscas.Neste fim de semana, a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para homenagens aos 65 anos do Dia D, e as eleições para o Parlamento europeu concentraram as atenções da mídia e da classe política do país.Na imprensa, o anúncio feito pelas Forças Armadas do Brasil foi recebido com cautela. O jornal Le Figaro, um dos mais tradicionais do país, lembrou a precipitação do Ministério da Defesa do Brasil nos últimos dias - quando o ministro Nelson Jobim anunciou que o País havia achado destroços e que depois não se confirmaram como sendo peças do Airbus."Depois de ter anunciado de maneira errada, na quinta-feira, que as Forças Armadas tinham recuperado destroços do Airbus, o Ministério da Defesa (do Brasil) tomou o cuidado de não divulgar desta vez a informação até recuperar e identificar os objetos que flutuavam no Oceano Atlântico", disse o Figaro.Desde quinta-feira, a mídia francesa vinha multiplicando as críticas ao governo brasileiro, em especial ao ministro Nelson Jobim. Mais complacentes, as autoridades francesas haviam classificado a precipitação do Brasil como "uma infelicidade", evitando que uma polêmica política e diplomática se estabelecesse entre os dois países.Por volta das 18h40 de ontem, o cônsul geral da França no Nordeste, Yves Lo-Pinto, chegou à sede do Cindacta 3, no Recife, onde se reuniu com o comando da operação de buscas. Antes, Lo-Pinto teria estado por três horas no Instituto Médico-Legal de Pernambuco, localizado na área central da cidade, região que foi isolada na tarde de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.