Franceses dizem estar longe das causas da queda do voo 447

Falha nos sensores de velocidade do Airbus foram fator agravante, mas não a causa concreta do acidente

REUTERS

02 Julho 2009 | 11h12

Os investigadores da queda do Airbus A330, que fazia a rota Rio-Paris da Air France, estão longe de determinar as causas do acidente, declarou nesta quinta-feira o BEA, órgão francês que investiga a tragédia. "Nós estamos bem longe de determinar as causas do acidente", afirmou Alain Bouillard, chefe das investigações, durante entrevista coletiva. Alain Bouillard apresentou o primeiro relatório sobre o acidente com o avião da Air France que fazia o voo 447 e caiu no oceano Atlântico depois de decolar no dia 31 de maio do Rio de Janeiro, causando a morte de 228 pessoas.

 

Veja também

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

link Busca por caixa-preta vai durar mais 20 dias

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo 

 

A falha nos sensores de velocidade do Airbus A330 foram um fator agravante, mas não a causa concreta que fez o avião cair, segundo o relatório preliminar apresentado nesta quinta. Bouillard disse que os sensores, os tubos de pitot, não foram o único fator que causou o acidente. Segundo ele, "os aparelhos foram um elemento, não a causa".

 

Uma das mensagens emitidas pelo Airbus indica que o avião estava recebendo informações incorretas sobre sua velocidade de seus equipamentos de medição externos, os tubos de pitot, o que desestabilizaria os sistemas de controle. Especialistas creem que esses aparelhos teriam congelado. A Air France trocou todos os tubos de pitot de seus Airbus A330 e A340 após o acidente com o voo 447.

Mais conteúdo sobre:
voo 447 Air France Airbus

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.