Franklin defende agência reguladora para a mídia

Em Londres, ministro reafirma que apresentará anteprojeto com novas regras para a área de comunicação até início de dezembro

Daniela Milanese, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2010 | 00h00

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Franklin Martins, disse ontem em Londres que, no pacote de novas regras que o governo pretende enviar ao Congresso ainda este ano, sobre regulação da mídia, a ideia central é que a fiscalização do setor fique por conta de uma agência reguladora.

O ministro visitará várias capitais europeias, colhendo experiências sobre como o assunto é tratado. Nos contatos, vai convidar entidades estrangeiras para participar do Seminário Internacional Marco Regulatório da Radiodifusão, Comunicação Social e Telecomunicação, a ser realizado no Brasil no mês que vem. Hoje, estará em Bruxelas.

O ministro planeja apresentar um anteprojeto até o início de dezembro. Caberá ao próximo presidente decidir se a proposta será mantida ou não.

Segundo ele, "é ideologização" dizer que a proposta de regulação da mídia é um atentado à liberdade de imprensa. "Neste governo, publica-se o que quiser. A imprensa é livre, o que não quer dizer que é boa", afirmou

Franklin acredita que o processo de convergência das mídias e a chegada de novas tecnologias impõem a necessidade de regras atualizadas para o setor, tema que afeta o mundo todo, não apenas o Brasil. As normas nacionais em vigor foram criadas em 1962.

Sem a regulação, o setor vira "terra de ninguém", afirma ele. O ministro cita que a radiodifusão faturou R$ 13 bilhões no País em 2009, enquanto a área de telefonia obteve receitas de R$ 180 bilhões. "As empresas de radiodifusão serão atropeladas", disse o ministro, ao defender mais regras para quem tem maior poder de mercado e um "olhar específico" para a radiodifusão, que cumpre papel social no Brasil.

Outros exemplos. Para ele, o primeiro nó a desatar é "fazer as pessoas entenderem que a regulação faz bem para todo mundo". Franklin citou países como a Inglaterra e os Estados Unidos, onde o setor é regulado. "Nos EUA é assim e ninguém achou que a liberdade de expressão estava em risco." Na Europa, há experiências com agências para normatizar o espectro, como a Anatel, e o conteúdo da mídia. "Entendendo conteúdo não enquanto censura, mas é dizer o seguinte: tem que ter produção regional, produção independente, produção nacional, tem que ter certas regras de equilíbrio."

O ministro descartou a existência de um "tribunal da mídia" para tratar de conteúdo da imprensa e chamou a ideia de "ficção", além de falar em "paranoia" dos jornais sobre o projeto do governo. Ele disse que é favorável à autorregulação do setor, mas avalia que isso só pode acontecer se houver regras estabelecidas para o segmento.

Segundo Franklin, não está na pauta a alteração do limite de participação do capital estrangeiros nas empresas do setor. Ele contou que entidades da França, Espanha, Portugal e Estados Unidos já aceitaram convite para o seminário marcado para os dias 9 e 10 de novembro, em Brasília.

O ministro - que anunciou também a decisão de não continuar no governo em 2011 - acredita que as empresas de comunicação aceitarão participar desta vez, ao contrário do evento realizado pelo governo há dez meses, porque "amadureceram".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.