Fraude da ''Petrobalde'' vendia gasolina por R$ 1,60 em SP

Polícia flagra caminhões de distribuidoras que escondiam combustível para lucrar na venda a granel

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

01 Agosto 2008 | 00h00

Há vários anos, pequenas empresas de transporte de combustível vendiam gasolina a granel, no meio da rua, nas proximidades das distribuidoras localizadas no bairro dos Pimentas, em Guarulhos, na Grande São Paulo. No balde, era possível comprar por R$ 1,60 o litro - enquanto, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do combustível no Estado era de R$ 2,385. Mas isso só era possível graças a um esquema de fraude que começou a ser desmontado ontem pela Polícia Civil de São Paulo: a "Petrobalde". Para conseguir preço do litro tão baixo, montou-se um esquema em que simplesmente não se entregava toda a quantidade de gasolina, álcool ou diesel paga pelos revendedores e pelo governo do Estado, que mantém postos próprios para sua frota. O golpe consistia em utilizar um compartimento secreto dentro do tanque do caminhão, chamado de gaiola ou chiqueirinho. O combustível ficava retido nesse espaço e o caminhoneiro poderia liberá-lo ou não ao comprador oficial. Estima-se que até 10% da capacidade total do tanque do caminhão poderia ser fraudada, o que resultava em lucro de R$ 3,2 mil, em média, por carreta - que tem capacidade para transportar 20 mil litros. Cada gaiola desviava de 500 a 1 mil litros, sem causar desconfiança. "O conteúdo roubado estava dentro da margem de erro da medição", explica o perito do Núcleo de Identificação Criminal do Instituto Elias Maximiniano. Ontem, foi realizada uma força-tarefa para combater a fraude, batizada de Operação Esqueleto. Foram vistoriados 158 caminhões e 12 acabaram flagrados com as gaiolas secretas. A polícia destacou ainda que a venda a granel, feita em baldes no meio da rua, não apresenta nenhuma segurança e expõe locais a risco iminente de explosões e incêndios. De acordo com o delegado Olavo Reino Francisco, da Corregedoria, o esquema também começou a ser investigado quando se identificaram várias empresas de pequeno e médio portes com grandes caminhões de última geração, incompatíveis com a estrutura da companhia. "Verificou-se que os donos enriqueceram com a fraude e conseguiram comprar caminhões-tanque rapidamente." Nas últimas semanas, o Serviço de Inteligência da polícia ainda conseguiu identificar os pontos de revenda do combustível roubado e várias transportadoras que participam da fraude. COLABOROU LAÍS CATASSINI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.