Fretados: exceções beneficiariam 400

Possibilidade aberta pela Prefeitura de ?bolsões particulares? pode atingir quase 18 mil passageiros

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

17 Julho 2009 | 00h00

As entidades que representam as empresas de ônibus fretados pediram à gestão Gilberto Kassab (DEM) a isenção para 400 veículos contratados por 130 empresas. Ao todo, são 18 mil usuários que seriam beneficiados. O governo admitiu anteontem que estuda "bolsões particulares", mas não abre mão de iniciar a Zona de Restrição Máxima à Circulação dos Fretados (ZRMF) no dia 27. O secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, alertou ontem que não há possibilidade de que as mudanças afetem a Avenida Paulista e ruas próximas. Segundo ele, nada justifica a circulação de fretados na região, servida por ônibus e metrô. "Há empresas e órgãos públicos que contratam esse serviço há muito tempo. Queremos discutir com o secretário a possibilidade de esses usuários descerem em pontos próximos dos locais de trabalho. É um conforto que a empresa assegura ao funcionário ao contratar o fretado", afirmou Jorge Miguel dos Santos, presidente do Transfretur (sindicato dos fretados). "Um fretado poderá sair de Bragança Paulista, por exemplo, e ir até a (sede da) IBM (na área de restrição)", explicou o secretário. "Eles vão indicar as rotas à Prefeitura, mostrar que a empresa tem estacionamento e não vai impactar o trânsito. Isso é possível." O discurso entre os representantes do setor é otimista em relação às mudanças. Presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos, Rogério Crantschaninov acredita que o diálogo avançou com o governo. "O que era imutável agora já está aberto a propostas e sugestões, com excesso do prazo, que é dia 27." ADIAMENTO A Associação das Pequenas e Médias Empresas de Fretamento do Estado de São Paulo (Assofresp) ainda batalha por um adiamento. "Precisamos dialogar um pouco mais antes, o impacto será muito negativo para a cidade. É uma medida que vai na contramão da diretriz da lei de políticas climáticas, que prevê a utilização do transporte coletivo em detrimento do individual", afirmou Celso Vieira Rutkowski, presidente da entidade. Em Campinas, a 90 km da capital, cerca de 15 mil pessoas usam os fretados todos os dias para vir a São Paulo. Secretário de Transportes da cidade e ex-presidente da CET de São Paulo, Gerson Bittencourt prevê uma invasão de vans clandestinas no transporte regional entre os dois municípios. "O usuário de fretado tem uma situação econômica boa, ele não troca o fretado pelo metrô. Ele vai trocar o fretado pelo carro", disse o secretário. "Mas eu defendo uma regulamentação para os embarques e desembarques. Não concordo com fretado que faz pinga pinga de empresa em empresa, de acordo com o pedido do usuário", ponderou. A próxima reunião entre representantes dos fretados e o secretário Moraes deve acontecer na terça-feira. COLABORARAM RENATO MACHADO E NAIANA OSCAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.