Fretados: teste reprova nova opção

Advogada usou vários meios de transporte, incluindo modelo com zona de restrição. Resultado: ?Vou de carro.?

Marcela Spinosa e Elvis Pereira, JORNAL DA TARDE, O Estadao de S.Paulo

13 Julho 2009 | 00h00

A advogada Vânia Hernandes, que há dois anos usa ônibus fretado para ir de São Miguel Paulista, zona leste, para seu escritório na Avenida Paulista, testou no mesmo trajeto o atual modelo de fretado, o futuro modelo, o transporte público (metrô e ônibus) e carro. Resultado? "Vou de carro." Esta também deverá ser a decisão de 20% dos passageiros, segundo a Assofresp, entidade das empresas do setor de fretados. A partir do dia 27, os fretados serão proibidos de entrar na Zona Máxima de Restrição à Circulação de Fretados (ZMRF), uma área de 70 quilômetros quadrados, das 5 às 21 horas nos dias úteis. A restrição adotada pela Prefeitura inclui vias centrais e da zona sul com altos índices de congestionamento, como as Avenidas 9 de Julho, Ibirapuera, Berrini e Paulista. A Secretaria Municipal de Transportes (SMT) vai remanejar 65 ônibus para as sete linhas de conexão entre os bolsões de fretados. A frota, porém, não será reforçada. Em nota, o Metrô alegou que espera receber "informações detalhadas" da SMT para buscar soluções. NÚMERO 70 quilômetros quadrados tem a área que será vetada aos fretados entre 5 e 21 horas nos dias úteis a partir de 27 de julho Viagem mais rápida não compensa desconforto O ponto de ônibus da Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, em São Miguel Paulista, estava cheio na manhã de terça-feira. Vânia, de 31 anos, torcia para que um coletivo com destino à Estação Artur Alvim do Metrô chegasse logo. Conseguiu entrar no terceiro veículo. Todos os lugares estavam ocupados e ela foi obrigada a viajar em pé. No meio do trajeto, Vânia conseguiu sentar, mas o conforto durou pouco. Ao chegar ao metrô, a advogada encarou as filas da escada rolante e da espera na plataforma, onde só conseguiu embarcar na terceira composição. Outra reclamação foi o assédio contra as passageiras. "No fretado não sofremos desrespeito." MENOR CUSTO Tempo: 1h18 Custo R$ 3,75 Segurança: Péssimo Conforto: Péssimo Novo fretado Deixar poltrona e pegar trem: ?caótico? No dia 3, a viagem da advogada no fretado foi mais curta. A reportagem propôs que ela cumprisse a nova regra, que entra em vigor em duas semanas: ir de ônibus até a Estação Belém do Metrô, onde haverá um dos 13 bolsões para fretados. Trocar o conforto da poltrona pelo trem não foi fácil. Com a falta de espaço nos vagões, ela embarcou no segundo trem. Logo, a primeira observação: "Se estivesse no fretado, estaria dormindo ou lendo um livro." Também viajaria sentada. Até o final do percurso, Vânia teve de ficar em pé, com o braço esticado, segurando na barra de aço do vagão. Como foi a viagem? "Uma experiência infeliz." ?EXPERIÊNCIA INFELIZ? Tempo: 1h40 Custo R$ 7,75 Segurança: Regular Conforto: Regular Automóvel próprio Lentidão de 9,5 km na Radial Leste Vânia raramente usa o carro para trabalhar, mas, a pedido da reportagem, aceitou dirigir os 35 quilômetros entre sua casa e o escritório na Avenida Paulista. Com exceção dos buracos, o percurso foi normal até alcançar a Radial Leste, quando se deparou com engarrafamento. "Está cruel hoje", disse. Naquela quarta-feira, a lentidão na Radial chegou a 9,5 km. Impaciente, tentou várias vezes mudar de faixa. Não adiantou. E desabafou: "Eu não posso escolher a forma que vou trabalhar, o que é melhor para o meu bem-estar. Isso é restringir o direito de escolha." Convicta, já tem opinião formada. "A justificativa de que a restrição dos fretados é para melhorar o trânsito não é plausível." MAIOR CUSTO Tempo: 1h30 Custo R$ 12,31 Segurança: Regular Conforto: Bom Atual fretado Mordomia com os dias contados O ônibus passa pontualmente às 6h40. Vânia prefere ir trabalhar de fretado pelo conforto, segurança e qualidade de vida. "Os ônibus municipais e o metrô são lotados. Há o risco de ser furtada e assediada." No fretado, os 47 passageiros têm lugar marcado, em poltronas macias e reclináveis. Durante o trajeto, há 15 paradas para embarque. Dá tempo para ler, ouvir música e dormir. Mas a mordomia está com os dias contados. Em duas semanas entra em vigor a restrição aos fretados, que terão de deixar passageiros em um dos 13 bolsões de embarque/desembarque, sendo 12 em estações do metrô e da CPTM e um no Expresso Tiradentes. MAIS CONFORTO Tempo: 1h50 Custo R$ 5,20 Segurança: Bom Conforto: Bom

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.