Freud Godoy afirma que houve quebra ilegal de seu sigilo bancário

Freud Godoy, ex-assessor especial do presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva, afirma que o sigilo bancário de sua conta corrente ou da conta da empresa Caso Sistemas de Segurança, de propriedade de sua mulher, Simone Messeguer Pereira Godoy, foi quebrado ilegalmente, segundo informação no site Consultor Jurídico. Freud chegou a ser apontado como mandante da compra do dossiê que envolveria políticos tucanos com a Máfia dos Sanguessugas. Mas, depois, a Polícia Federal afirmou que não encontrou indícios de seu envolvimento com o caso.Em nota divulgada no site, Freud contesta a informação de que recebeu R$ 396 mil do investidor Naji Nahas cinco dias antes da prisão dos R$ 1,75 milhão com os petistas Gedimar Passos e Valdebran Padilha, que o acusou de participação na compra dos documentos. A informação foi publicada na edição desta quarta-feira no jornal O Estado de S. Paulo.?Houve quebra ilegal do sigilo bancário. Não há qualquer decisão judicial autorizando a divulgação ou acesso aos dados bancários, seja de Freud, seja da empresa Caso?, ressalta o advogado de Freud, Augusto Botelho, na nota enviada à imprensa e publicada no Consultor Jurídico.Freud também critica as declarações feitas na reportagem pelo deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ), sub-relator da CPI dos Sanguessugas: ?Vamos investigar essa pista, mas isso não significa que Freud é culpado?, disse o deputado Fernando Gabeira, sub-relator da CPI dos Sanguessugas. ?É um indício importante e tem de ser investigado.?Segundo a nota, as informações são irresponsáveis e inverídicas. Freud afirma que vai pedir a interpelação do deputado federal junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e requerer a instauração de um inquérito policial para apurar a eventual quebra de sigilo bancário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.