Frevo, japoneses, d. João VI: Rio terá o carnaval das efemérides

Em crise, Mangueira promete dar a volta por cima; já a Viradouro sairá com carro do Holocausto modificado

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

03 de fevereiro de 2008 | 00h00

Efemérides que marcaram a história e cultura brasileira serão lembradas na Sapucaí nestes dois dias de desfiles. São Clemente, Mocidade e Imperatriz Leopoldinense falam dos 200 anos da chegada de d. João VI ao Rio; a Mangueira canta o centenário do frevo; a Porto da Pedra, outro aniversário: os cem anos de imigração japonesa no País. A atual campeã, Beija-Flor, viaja até Macapá, Amapá, para redescobrir o Brasil.Hoje, os destaques são Mangueira e Viradouro. A Verde-e-Rosa vem de um pré-carnaval complicado. A agremiação foi criticada por não escolher um enredo homenageando o compositor Cartola, que faria cem anos. Depois vieram as notícias relacionando a escola ao tráfico. Na avenida, os mangueirenses prometem recuperação. Alcione já avisou: "A Mangueira está acima do bem e do mal. O que importa é o samba". A Viradouro também viveu dias difíceis. Na quinta-feira, teve de desmontar, por ordem judicial, o carro alegórico É de Arrepiar. Para a Justiça, a ousadia do carnavalesco Paulo Barros desrespeitou os judeus ao colocar figuras humanas sobre o carro, representando os mortos no Holocausto. A escola de Niterói, que tem conquistado boas colocações, tenta repetir o feito de 1997, quando foi campeã pela única vez.Amanhã, as atenções se voltam para a Imperatriz e para a Beija-Flor, primeiro lugar em 2007, 2005, 2004 e 2003. Segundo Wagner Araújo, diretor de carnaval da Imperatriz, este ano a ordem é empolgação. "Nós pecamos muito por colocar muita gente de fora da escola, que não sabe evoluir. Desta vez, reduzimos integrantes e distribuímos 500 fantasias."Na Beija-Flor, sobra disposição. "Ninguém desfila para perder", lembra Laíla, diretor geral de carnaval. As suspeitas de que o resultado do último campeonato foi manipulado deu mais garra à comunidade de Nilópolis. "A escola inteira está mordida." Terceira a desfilar hoje, o Salgueiro homenageia o Rio. A Portela traz enredo ecologicamente correto - o que se repete amanhã, na Grande Rio. MUSASNa segunda noite de desfiles, a passarela será de musas como Thatiana Pagung, da Mocidade, Adriane Galisteu, da Unidos da Tijuca, a miss Natália Guimarães, da Vila Isabel, e Grazielli Massafera, da Grande Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.