Frevo, maracatu e Bethânia na abertura da festa em Recife

A abertura do carnaval do Recife, que comemora os 100 anos de frevo, uniu na noite desta sexta-feira, na Praça do Marco Zero, centro histórico da cidade, 500 batuqueiros de maracatu, orquestras de blocos de pau-e-corda, o percussionista Naná Vasconcelos e a cantora Maria Bethânia. O repertório do espetáculo regido por Naná também foi eclético, com espaço para a execução de "O Guarani", de Carlos Gomes, pela Orquestra Popular da Bomba do Hemetério, com o Maestro Forró, e "Frevo número 1", do pernambucano Antonio Maria, na voz de Betânia. Antonio Carlos Nóbrega e Claudionor Germano, um dos maiores intérpretes pernambucanos de frevo, deram seqüência à festa. A festa na Praça do Marco Zero é a principal das que se espalham pela cidade e também na vizinha Olinda. Enquanto Bethânia encantava seus fãs, bem perto, a troça "Nem sempre Lili toca flauta" arrastava os foliões pelas ruas do Recife Antigo, disputando espaço com blocos improvisados. Neste sábado, a capital pernambucana terá o desfile do Galo da Madrugada, detentor do título de maior bloco carnavalesco do planeta segundo o Livro Guiness dos Recordes.

Agencia Estado,

16 Fevereiro 2007 | 23h17

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.