Frutas para Beira-Mar são barradas pela direção de presídio

O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, enfrenta o rigor do regulamento do Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes. Hoje, pela segunda vez foi contrariado um assunto de seu interesse. A advogada Patrícia Soares Queiroz foi impedida de vê-lo e não foi atendida no pedido de enviar frutas. Ontem, no primeiro dia de prisão Beira-Mar não gostou da negativa em receber visita íntima e comida de restaurante. Patrícia esteve ontem no presídio, em companhia de Débora Cristina da Costa ? irmã de Beira-Mar mas não puderam entrar. Hoje pela manhã, a advogada retornou em companhia do presidente da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) bernardense, Edilson Carlos de Almeida, e falou com o diretor do CRP Antonio Sérgio de Oliveira. Patrícia buscou o amparo da OAB diante do entendimento queestava havendo obstrução do seu trabalho.Oliveira mostrou a portaria que impede qualquer tipo de visita ao preso antes dos dez dias que deu entrada no presídio. Uma portaria de setembro do ano passado, derrubada um mês depois por força de liminar e cassada em seguida por interpelação da Procuradoria do Estado. Sem poder falar com Beira-Mar, Patrícia fez o pedido de enviar frutas e recebeu a negativa. A solicitação atendida foi a de deixar uma bíblia para Beirar-Mar. Somente dentro de dez dias, a contar de ontem é que a advogada poderá se avistar com o seu cliente. No final da tarde, após não conseguiram voar para São Paulo ? a Pantanal cancelou o vôo das 17h por motivo de manutenção da aerocave ? Patrícia e Débora foram a umshopping de Presidente Prudente, no mesmo táxi utilizado para ir a Presidente Bernardes.Pelo serviço de transporte pagaram R$ 120. No shooping, compraram em várias lojas, jantaram e alisaram os cabelos num salão de beleza. Foram pequenas compras; algumas peças de roupas, calçados e bolsas. Tudo pago em dinheiro. Dormiram num hotel da cidade. Saíram às 8h de hoje e novamente pagaram em dinheiro.Polícia FederalPatrícia e Débora foram ouvidas pela Polícia Federal antes da viagem para São Paulo. Já estavam na aeronave quando tiveram que desembarcar, retardando a viagem em 12 minutos. Neste tempo estiveram numa sala do aeroporto respondendo as perguntas da delegada Lúcia Barbosa Machado Castralli. A ordem de ouví-las partiu da direção geral da Polícia Federal que pretende estar informada sobre tudo que estiverocorrendo em relação a Beira-Mar, com a finalidade de impedir qualquer tentativa de se montar uma ?fortaleza?. BernardesHoje o clima em Presidente Bernardes já era mais tranqüilo que ontem. A população de cerca de 15 mil habitantes foi tomada de surpresa pela chegada de Beira-Mar ao presídio que fica na zona rural, inclusive o prefeito padre Umberto Laércio Bastos de Souza (PTB). O temor da população não é com o que possa ocorrer dentro do presídio, mas fora dele. ?gente teme que o pessoal do crime organizado invada a cidade e por isso tem moradores fechando os portões com cadeados, numa cidade em que osportões ficavam abertos?, diz o motorista da Prefeitura, Joaquim de Souza.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.