Fuga no Carandiru: 87 escapam por túnel

Uma fuga programada havia mais de um mês pelos presos da Penitenciária do Carandiru, na zona norte de São Paulo, foi descoberta no começo da tarde, através de um telefonema ao Centro de Operações da Polícia Militar informando que algumas pessoas estavam saindo de um bueiro ao lado da muralha e sujas de barro.No total, 87 detentos conseguiram escapar, usando um túnel cavado de fora para dentro da unidade. Três morreram soterrados. Era dia de visita e havia centenas de homens, mulheres e crianças no presídio. O túnel aberto tinha ventilação, revestimento de cimento e ligava o interior do presídio com a rede de esgoto do bairro. Os policiais agiram rapidamente e recapturaram 44 detentos até as 19 horas, a maioria de calção, camiseta e sujos de barro. Os soldados do Corpo de Bombeiros foram chamados e informaram que o túnel não suportou por causa do número de presos que foram soterrandos a caminho da rede de esgoto. Três detentos foram cobertos pela terra e lama. Um deles morreu, outro foi retirado com vida e o terceiro estava sendo procurado no meio da terra e da lama. As mulheres dos presos se recusaram a deixar o presídio, até obterem a garantia do diretor da Penitenciária, Maurício Guarnieri, que não haveria retaliação.O presídio tem quase 1.500 presos. A Secretaria da Administração Penitenciária afastou qualquer ligação da fuga com o movimento do Primeiro Comando da Capital (PCC) que começou no domingo passado com explosões e atentados às bases e prédios da polícia.Um inquérito foi instaurado para saber as condições da fuga e se houve conivência de agentes penitenciários na construção do túnel o no plano de fuga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.