Fugitivo não matou Toninho, diz polícia

O homem preso na manhã de hoje pela polícia de Bertioga, suspeito de estar envolvido no assassinato do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos (PT), não teve participação no crime, diz a polícia. No início da noite, o delegado seccional de Campinas, Osmar Porcelli descartou a participação do rapaz, identificado como Marcelo Ferreira, no homicídio. Segundo a polícia de Bertioga, Marcelo, mais conhecido como ?Cigano?, é fugitivo da Cadeia Pública de Praia Grande. De acordo com Porcelli, a perícia do Instituto de Balística indicou que a arma apreendida com Ferreira, uma pistola 9 milímetros, não era a mesma utilizada no assassinato do prefeito. O delegado disse que todas as linhas de investigação continuam sendo apuradas. No início da noite também esteve na delegacia o secretário dos Negócios Jurídicos da Prefeitura de Campinas, Nelson Lucilio, em busca de documentos que supostamente teriam desaparecidos na noite do crime. Segundo Lucilio, esses documentos foram procurados na casa, no escritório do prefeito e na Prefeitura, e não foram encontrados. Porcelli comentou que não havia nenhum documento no carro. Com isso, Lucilo acredita que o crime possa ter sido motivado pelo dossiê desaparecido. O secretário não revelou detalhes sobre o conteúdo, mas afirmou que eles incriminam uma pessoa. O delegado garantiu que Lucilo também não revelou quais seriam os documentos e nem que pessoa seria esta. Disse que irá aguardar um novo dossiê que está sendo preparado pelos assessores do prefeito, inclusive Lucilo, sobre o conteúdo do material desaparecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.