Fugitivos do Comando Vermelho estariam espalhados por favelas do Rio

Traficantes teriam se escondidos em diferentes pontos da Baixada Fluminense; para revelar paradeiros, polícia prendeu o chefe do tráfico no Morro do Juramentinho

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2010 | 18h15

RIO - Fugitivos do Complexo da Penha e do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, os traficantes do Comando Vermelho (CV) estão pulverizados em favelas de menor porte para evitar uma prisão em massa. Nesta quinta-feira, 2, quatro deles foram presos em diferentes pontos da cidade.

 

Veja também:

linkPreso segurança do chefe do tráfico no Alemão

linkIbope: 88% aprovam ação contra criminosos no Rio

linkComandante do Exército diz que militares têm recebido ameaças

linkPermanência põe em risco integridade das Forças Armadas

linkMais seis presos serão transferidos para presídio em Catanduvas

link'Não tenho a pretensão de acabar com o tráfico', diz Beltrame

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

especialINFOGRÁFICO - O mapa das facções cariocas

tabela CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

 

De acordo com os relatos de moradores e policiais, depois da escapada por galerias pluviais e de esgoto, as lideranças do tráfico foram para o Morro do Juramentinho, em Tomás Coelho, no subúrbio do Rio, a cerca de 6 km do local onde ocorria o confronto entre policiais e criminosos. A favela serviu de base para que a quadrilha se dividisse em fuga pela zona norte e Baixada Fluminense. Hoje, em investida para descobrir o paradeiro dos fugitivos, policiais civis prenderam Thiago Braga de Souza Silva, de 24 anos, o Sapão, gerente do tráfico no Juramentinho.

 

Na Vila Cruzeiro, os moradores relatam que boa parte do chamado "segundo escalão do tráfico" obteve refúgio na Favela do Mandela, no Complexo de Manguinhos, na zona norte, a cinco quilômetros da favela do Complexo da Penha. Moradores de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, afirmam que notaram a presença de homens estranhos no Complexo da Mangueirinha.

 

Os agentes da inteligência da 59ª Delegacia de Polícia negam. "Estamos monitorando a Mangueirinha, apenas porque o chefão de lá morreu em confronto no Alemão", afirmou um investigador, referindo-se a Luiz Carlos Nesse José, o Olho de Vidro. Desde domingo, o Hospital de Saracuruna recebeu cinco baleados, mas sem relação direta com os tiroteios na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemão.

 

Fora dos chamados quartéis do tráfico, os traficantes dos dois conjuntos de favela são capturados com relativa facilidade pela polícia. "O marginal desarmado e fora de seu habitat é menos bandido", repetiu, durante toda a semana, o secretário de Segurança Pública do Rio José Mariano Beltrame. O chefe de da Polícia Civil, Alan Turnowski concorda. "A prisão deles acontecerá em lugares de muito mais fácil acesso", disse.

 

Hoje, Alex Gomes da Silva, de 24 anos, foi preso em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, município vizinho de Duque de Caxias. Policiais disseram que o acusado fugiu da Vila Cruzeiro para o Complexo do Alemão e depois ficou escondido na cidade. Em outra operação, a polícia prendeu em Santa Teresa, na região Central do Rio, Marcos César Alves Romão, de 29, apontado como segurança de Fabiano Atanázio, o FB, ex-chefe do tráfico na Vila Cruzeiro. Dois fugitivos também foram presos em Campo Grande (zona oeste).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.