Funcionária da BRA é agredida no Aeroporto Tom Jobim

Centenas de passageiros dormiram no chão do saguão do Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio, por conta dos atrasos e cancelamentos de vôos ontem de madrugada. Na noite de sexta, um passageiro exaltado agrediu a funcionária da BRA Margareth de Souza.Ela foi defendida por outros passageiros, que derrubaram o agressor. Muito nervosa, Margareth chegou a dizer que processaria o homem, mas desistiu de registrar queixa na polícia. Ela não foi localizada neste sábado para falar sobre o caso.Diante da longa fila para o check-in, que chegava a duas horas, e da incerteza do embarque, muita gente desistiu de viajar. E teve de enfrentar fila ainda maior, de até quatro horas, para remarcar o vôo. A gaúcha Cláudia Nascimento, de 31 anos, desistiu de tentar embarcar para Porto Alegre com o marido e os filhos de 2 e 5 anos. ?No segundo turno das eleições, esperamos 8 horas no aeroporto; no Natal foram dez horas. As crianças já não agüentam mais essa situação?, disse.Poucos também conseguiram ser alojados em hotéis pelas companhias aéreas. ?Vivi a experiência de um mendigo?, afirmou o técnico de instrumentação Carlos Urubá, de 49 anos, que desde sexta tentava voltar para casa, em Maceió.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.