''Funcionária tem livre arbítrio'', defende Prefeitura

Questionada pela reportagem, a assessoria de imprensa da Prefeitura de São Paulo afirmou que nenhum funcionário está autorizado a pedir nada em nome do prefeito. Segundo a administração, "não existe determinação para qualquer atitude de recolhimento de assinaturas" para a criação do novo partido do prefeito.

Paulo Saldaña e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2011 | 00h00

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras afirmou que a funcionária enviou a mensagem pelo e-mail pessoal e fora do horário de trabalho - coisa que, como qualquer outra pessoa, ela teria o livre arbítrio de fazer.

A mesma explicação foi dada em relação ao diretor da Prodam, Flávio Chuery, funcionário comissionado apontado como responsável pelas arrecadações de assinaturas no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.