Funcionário da ONG confessa assassinato de franceses no Rio

O funcionário da ONG Terr´Ativa Társio Wilson Ramires, de 25 anos, confessou ter assassinado três franceses na manhã desta terça-feira. Delphine Douyère e seu marido, Christian Doupes, diretores da ONG e o funcionário Jérôme Faure foram rendidos e mortos a facadas. Társio foi preso na manhã de hoje, quando deixava a sede da organização não-governamental, com cortes na mão. Ele confessou o crime ao delegado, contando ter desviado cerca de R$ 80 mil, e que pagaria R$ 2 mil a dois amigos (que também participaram de projetos da ONG) para darem um "susto" nos franceses. Delphine havia descoberto um desfalque nas contas da organização. Ela vinha pressionando o assassino confesso, funcionário da ONG há 10 anos, a devolver a quantia, informou o delegado Marcus Castro. Durante o crime, vizinhos ouviram gritos e chamaram a polícia. Cristian e Delfine moravam no nono andar do edifício, onde funciona a ONG, e tinham um filho, Max de 2 anos, que nada sofreu. Társio foi o primeiro a ser detido. Ele alegou que os cortes na mão eram provenientes de um acidente com um computador. Társio foi um dos adolescentes assistidos pela ONG Terr´Ativa, dirigida pelo casal, e trabalhava com a organização havia dez anos. O segundo suspeito, Luiz Gonzaga Gonçalvez de Oliveira, foi preso ao buscar socorro no hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na zona oeste. Esfaqueado, tinha o mesmo nome de um documento encontrado no apartamento onde o crime foi cometido. Logo após foi preso outro suspeito: José Michel Gonçalves Cardoso. Segundo um dos presos, foram usadas luvas cirúrgicas e facas com a finalidade de cometer o crime.

Agencia Estado,

27 Fevereiro 2007 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.