Funcionário de empresa assaltada era cúmplice

A prisão em flagrante de dois marginais que invadiram, ontem à noite, a empresa de confecções Via Satélite Indústria e Comércio, na Rua Tostói de Carvalho, 290, na Vila Tostói, zona Leste, revelou a cumplicidade de um funcionário de confiança. Crecione Santos Souza, de 22 anos, que afirma ter sido mantido como refém durante o roubo, foi quem facilitou a entrada dos criminosos.Funcionário da empresa há sete anos, ele era o encaregado pela produção. E telefonou para o patrão afirmando que havia ocorrido o roubo e que os marginais o haviam seqüestrado. Afirmava ter sido abandonado numa rua e que já estava na própria residência.Sua mentira foi descoberta 15 minutos depois. O patrão telefonou para a polícia e, quando os PMs da Força Tática do 21º BPMM chegaram ao local, encontraram Sérgio Luís Fernandes, de 30 anos, e Maximino de Lima, de 32 anos, ainda vasculhando o prédio à procura de dinheiro e objetos de valor. Eles tinham lotado uma perua Kombi com tecidos e roupas.Constatando contradição entre a versão do funcionário e os fatos, uma vez que os criminosos não haviam fugido nem o levado como refém, os PMs interrogaram a dupla que apontou Crecione como mentor do roubo. A polícia descobriu também que esse é o terceiro roubo praticado pela dupla naquela confecção. Os três foram levados ao 70º DP - Sapopemba para serem autuados em flagrante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.