Funcionários da Anvisa voltam ao trabalho depois da greve

Os trabalhadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em portos, aeroportos e fronteiras voltaram às atividades de fiscalização esta tarde, após fazerem greve desde 17 de fevereiro. A Anvisa estima que a situação será normalizada até a próxima quarta-feira, dia 10, com a liberação de insumos químicos, medicamentos prontos, equipamentos hospitalares, cosméticos e doações - itens que estão represadas nas alfândegas.De acordo com a Anvisa, a média de pedidos de licenças de importação em dias normais é de 1.000. Com a greve, o número de pedidos caiu para 2.886 em todo o período da paralisação. Isso porque as licenças, que valem para a importação de vários produtos, poderiam vencer antes do término da greve, provocando prejuízo à indústria.Segundo a Anvisa, porém, os medicamentos considerados excepcionais e os de maior demanda foram liberados conforme pedido das secretarias de Estado, antes do final da greve e independentemente de seu desdobramento.A reivindicação que motivou a greve foi o enquadramento dos profissionais no plano de carreira da Anvisa, prevista na Medida Provisória 155. Dos trabalhadores contemplados com a medida, 463 são profissionais de nível superior, 976 de nível médio e quatro de nível auxiliar. Para eles, foi formulada uma tabela que terá aumentos progressivos, programados para julho de 2004, janeiro de 2005 e julho de 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.