Funcionários da Caixa são seqüestrados em Santa Bárbara

Sete pessoas, entre elas dois funcionários da Caixa Econômica Federal de Santa Bárbara D?Oeste, foram seqüestradas por uma quadrilha na quinta-feira à noite e libertadas nesta sexta-feira de manhã. Os bandidos soltaram os reféns em Campinas sem o pagamento do resgate, estipulado inicialmente em R$ 240 mil. Os nomes das vítimas não foram divulgados pela polícia.O seqüestro teve início às 18h30, quando uma gerente dobanco foi abordada enquanto trafegava pela estrada velha Santa Bárbara D?Oeste-Piracicaba. Ela e uma amiga foram colocadas em um veículo Sprinter, encapuzadas e levadas até a casa da gerente, em Americana, onde também foram rendidos o namorado e a filha adolescente da vítima.Os bandidos levaram todos na Sprinter para um cativeiro, ao qualchegaram após cerca de 15 minutos. Em seguida, se dirigiram até a casa de um tesoureiro do banco, que não estava, renderam a mulher a filha. Assim que o bancário chegou, os três foram levados ao cativeiro, onde já estava a família da gerente.Ela e o tesoureiro foram libertados por volta das 6h30 desta quinta-feira com a missão de providenciar o resgate junto ao banco. Os outros cinco reféns ficaram no cativeiro. Os primeiros contatos com o banco foram feitos pelos celulares das vítimas. A Polícia Militar foi avisada às 7 horas do seqüestro e mobilizou várias equipes, inclusive os policiais do canil e o helicóptero Águia 2, para vistoriar locais suspeitos. Às 8h45, os cinco reféns foram libertados no cruzamento das rodovias Anhangüera e Dom Pedro, em Campinas, no bairro Aparecidinha. Nenhum deles estava ferido. A Delegacia Anti-Seqüestros (Deas) de Campinas está investigando o caso, mas ainda não há informações sobre os seqüestradores. Segundo as vítimas, entre seis e oito pessoas participaram do seqüestro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.