Funcionários de presídio vão para Febem de Franco da Rocha

Um mês depois de o Estado ter transferido a Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem) para a Secretaria de Educação, uma proposta sociopedagógica concreta ainda parece distante. Nesta segunda-feira, 25 agentes penitenciários foram deslocados de presídios para o Complexo de Franco da Rocha, que teve 34 servidores afastados após uma onda de oito rebeliões em 20 dias.A Febem informou que o ?reforço? foi pedido à Secretaria de Administração Penitenciária para apoiar 31 funcionários novos. ?É absurdo que não exista gente experiente entre 7 mil servidores?, criticou Ariel de Castro Alves, da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).?Os agentes não estão preparados para lidar com os jovens e podem piorar o clima de tensão. Tivemos no passado experiências desastrosas, com motins e tortura.?Segundo o presidente do sindicato dos monitores, Antônio Gilberto da Silva, os 25 agentes aceitaram a transferência porque estão recebendo do Estado R$ 60,00 extras por dia. A Febem negou a informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.