Funcionários guardam silêncio sobre seqüestro

O silêncio foi o lema adotado nesta segunda-feira pelos funcionários da Penitenciária de Araraquara, dois dias após o diretor da instituição, Leandro Pereira, ter solto cinco presos para libertar os sete parentes que estavam como reféns de uma quadrilha fortemente armada.O silêncio foi uma determinação da Secretaria de Administração Penitenciária. Sobre Pereira, apenas uma informação foi transmitida pelos funcionários: ele estaria em férias há dez dias. Enquanto isso, a polícia civil continuou investigando o caso, e a PM de Ribeirão Preto reforçou seu efetivo, carros e armamentos, além de um helicóptero, que podem ser utilizados a qualquer momento. "Estamos fazendo as diligências necessárias e temos pistas dos fugitivos", disse o delegado Gérson Guido Mattioli, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), de Araraquara. Foi ele quem colheu o depoimento de Pereira, que durou cerca de duas horas, ainda na tarde de domingo. O delegado investiga todos os acontecimentos de sábado, quando Pereira, pressionado pela quadrilha, conduziu cinco detentos para fora da Penitenciária. Inicialmente, ele teria de levar oito presos, mas alegou que seria impossível transportá-los num veículo. Do presídio, saíram seis pessoas numa Kombi, abandonada na saída da cidade. O grupo foi, então, para São Carlos, onde parentes e outras duas pessoas estavam como reféns da quadrilha numa casa. Mattioli calculou que a quadrilha poderia ter oito integrantes - cinco na residência e outros no apoio. Como Márcio Henrique Evaristo, de 33 anos, um dos chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC), teria saído da cela com um telefone celular, o delegado de Araraquara investiga a possível conivência de alguém da guarda externa (da PM) ou até de funcionários da própria penitenciária. "Estamos apurando isso" informou Mattioli. Segundo ele, à medida que os fugitivos forem recapturados ou os integrantes da quadrilha forem detidos, os depoimentos serão prestados no local da prisão, mas as informações serão remetidas imediatamente para Araraquara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.