Funcionários públicos invadem Alerj em protesto

Cerca de 50 funcionários públicos das áreas da saúde e da educação invadiram nesta terça-feira o plenário da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), no centro, e causaram tumulto por mais de um hora.Com faixas, máscaras cirúrgicas e roupas de palhaço, eles interromperam a sessão, se amarraram às cadeiras e subiram nas bancadas. Os manifestantes reivindicam melhores salários e queriam uma audiência com a governadora, Rosinha Matheus. A deputada Geogette Vidor (PPS), que anda numa cadeira de rodas, disse que viveu momentos de tensão. "Foi tudo meio confuso. Eles invadiram o plenário pelas laterais, que é justamente onde fico por causa da cadeira de rodas. Quase passaram por cima de mim e machucaram minha assessora."De acordo com Georgette, a maioria dos manifestantes era da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), que está em greve há 80 dias.Segundo Gerogette, os manifestantes desceram ao plenário pouco depois de 16h30, quando tem início a sessão para votação de projetos de leis. Antes, por volta de 14h, eles já se concentravam na porta da Alerj. "Invadiram o plenário porque queriam que o presidente da Casa (deputado Jorge Picciani - PMDB) ligasse para a governadora naquela hora, mas ele não quis."

Agencia Estado,

21 de setembro de 2004 | 19h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.