Fundação Zerbini está mal de caixa

A Fundação Zerbini, entidade sem fins lucrativos que apóia as atividades do Instituto do Coração e considerada modelo na área, está passando por dificuldades de caixa."A fase pior já passou, mas temos de rever nossos gastos e, talvez, algumas de nossas atividades", afirma o presidente da fundação, Fernando D´Oliveira Menezes.Entre as medidas de contenção de gastos, está a mudança de endereço da fundação. Dentro de três ou quatro meses, ela deixa o andar que ocupa na Avenida Brigadeiro Faria Lima e se instala em um prédio que pertence ao Incor, em frente ao instituto.As primeiras dificuldades da Fundação Zerbini começaram com a estabilização da moeda, diz Menezes, com o fim da alta rentabilidade das aplicações financeiras.Mas pioraram de forma significativa com a construção da nova unidade do Incor, inaugurada ano passado. Para o novo prédio, a Fundação fez um empréstimo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) de R$ 80 milhões, a serem pagos em duas parcelas.O pagamento, no entanto, teve de ser renegociado. A primeira parcela do pagamento da dívida principal foi transferida de julho do ano passado para este ano. "Obtivemos condições favoráveis, mas o fato é que a fundação construiu um prédio, que, na verdade, pertence ao governo do Estado."Desde que assumiu o cargo de presidente, no ano passado, Menezes diz que iniciou um programa para corte nas despesas. Fez revisão de alguns contratos de serviços e compras, dispensou alguns trabalhos que eram feitos em dobro: na fundação e no Incor.Sindicâncias foram abertas e alguns funcionários, transferidos de cargo. Com as medidas, hoje as despesas mensais do instituto tiveram uma redução de R$ 700 mil. "Queremos reduzir ainda mais, mas sem demitir", diz.Criada há 23 anos, a fundação capta os recursos do Incor com atendimento a pacientes particulares, do SUS e de convênios e os administra.Parte dos funcionários recebe salários apenas da Fundação Zerbini. Os demais contratados, recebem um adicional também vindo da fundação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.