Fundador de Blumenau, uma das vítimas da cheia de 1855

Carta escrita por ele registra enchente ocorrida há 153 anos, muito semelhante à atual

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

O alemão Hermann Bruno Otto Blumenau, fundador da colônia que mais tarde se tornaria a cidade de Blumenau, relata em uma carta a enchente ocorrida em novembro de 1855, que guarda profundas semelhanças com as inundações dos últimos 15 dias no Estado. A carta, com data de 30 abril de 1856 e endereçada a um conselheiro do Império, consta do livro Imigrantes 1748-1900: Viagens que Descobriram Santa Catarina, de Mariléa e Raimundo Caruso, publicado pela Editora da Unisul. "É a primeira documentação de uma enchente em Santa Catarina", afirma Caruso. Na carta, ele relata o efeito devastador da chuva, quando "menos de 36 horas foram suficientes para encher o rio (Itajaí-Açu) até a altura de mais de 63 palmos do nível normal (cerca de 15 metros)." Na época da enchente, cinco anos depois da fundação da colônia, Caruso estima que a população já chegava a 4 mil pessoas. Dr. Blumenau, como o farmacêutico era mais conhecido, vinha da Corte, no Rio, e parou em Desterro, hoje Florianópolis, antes de prosseguir até a colônia. Ao chegar, se deparou com as lavouras destruídas. Assim como milhares de catarinenses na enchente atual, Dr. Blumenau perdeu sua casa, seus bens e ficou desabrigado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.