Fura-fila: falta de informações e filas marcam primeiro dia

Depois de 10 anos e cerca de R$ 800 milhões em investimentos, os paulistanos estão vivendo nesta segunda-feira, 12, o primeiro dia útil de funcionamento do Expresso Tiradentes, batizado inicialmente de Fura-fila e chamado depois de Paulistão. O sistema pretende agilizar o transporte diário de pelo menos 50 mil pessoas da capital paulista e da região do Grande ABCD. Esta manhã, no entanto, o que se viu foram filas, passageiros irritados com a falta de informações e com a demora para chegar ao trabalho. Segundo os usuários, até os motoristas estavam perdidos: "O motorista que trouxe a gente para cá errou o caminho, não sabia como vir. Ele entrou na Anchieta em vez de entrar para vir aqui - afirmou o auxiliar de veterinário Lucy Fabiana. "Ninguém sabe explicar nada, a gente já subiu, já desceu e ninguém sabe explicar pra gente onde pega o ônibus" - reclamou.De acordo com a reportagem do SPTV 1º edição, da TV Globo, além da falta de informação até no ´balcão de informações´, outro problema no primeiro dia útil foi a fila. Os passageiros tiveram que esperar e muitos acabaram se atrasando para o trabalho. Para se ter uma idéia, tinha fila para comprar bilhete e fila para embarcar. "Isso aqui é um absurdo! Antigamente, eu pegava o ônibus na porta da minha casa e descia na porta do meu serviço", garantiu Maria Alzirene de Mello, empregada doméstica. A cobrança de tarifa começou no sábado. Segundo a SPTrans, empresa que administra o transporte coletivo na cidade, 58 mil passageiros usaram o Expresso Tiradentes no final de semana. Este primeiro trecho de funcionamento vai do Parque Dom Pedro II ao Sacomã e tem oito 8,5 quilômetros. A viagem dura 20 minutos. Vinte e nove linhas que partiam do Grande ABCD para seis pontos diferentes da capital - Parque Dom Pedro II, Glicério, Estação da Luz, Santa Cruz, Vergueiro e o Terminal Rodoviário do Tietê - têm agora como ponto final o Terminal Sacomã, região do Ipiranga, zona sul paulistana. Dezoito linhas municipais também vão ser integradas ao terminal.Desistir da viagemCom tanta confusão, teve passageiro que até desistiu de continuar a viagem. Quem conseguiu embarcar, reclamou, por exemplo, da velocidade dos carros. Os veículos circulam com máxima permitida de 40 quilômetros por hora. O secretário municipal de transportes, Frederico Bussinger, prometeu avaliar os problemas ocorridos nesta segunda-feira, 12. Para ele, no entanto, o problema são as pessoas. "Pessoas, essa é a questão! Esse número grande de pessoas e um pouco do desconhecimento, que eu diria natural no primeiro dia, acaba gerando um pouco de acúmulo".O secretário garantiu que a prefeitura acabar de promover algumas mudanças para diminuir a confusão que se formou no primeiro dia útil do Expresso Tiradentes. Mudaram os pontos de parada de duas linhas de ônibus da capital: a Santa Cruz - Moema e a Sacomã - Correio. Na manhã desta terça-feira, 11, na hora de maior movimento, em vez de um, serão dois pontos de embarque no Expresso Tiradentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.