Gaeco do Paraná desarticula quadrilha e recupera R$ 15 milhões em bens

Operação cumpriu 59 mandados de sequestro de bens, imóveis e bloqueios de contas

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado,

18 Fevereiro 2013 | 17h30

CURITIBA - O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Guarapuava (272 quilômetros de Curitiba) desarticulou na manhã desta segunda-feira (18), com a operação chamada "Hydra 2", uma quadrilha com aproximadamente 50 pessoas que foi responsável, em uma apuração preliminar, por golpes que provocaram cerca de R$ 15 milhões de prejuízos a diversas empresas.

No total foram cumpridos 59 mandados de sequestro de bens, imóveis, móveis, carros, caminhões e bloqueios de contas bancárias nas regiões de Medianeira, Bandeirantes, Assis Chateubriand, Campo Mourão e Guarapuava. Segundo o coordenador de ações do Gaeco em Guarapuava, tenente Marcelo Veigantes, cerca de 100 pessoas estão sendo investigadas. "O núcleo pensante é formado por dez a 15 pessoas e outras foram usadas como laranjas, mas todas elas estão arroladas em um processo, que teve início com a Operação Hydra 1, no ano passado", disse.

Apesar do volume de dinheiro envolvido nas fraudes não houve prisões. As investigações começaram em 2009 e indicam que o grupo seria comandado por André Mauricio Hessel Lopes e seus irmãos, Gustavo Mauro Hessel Lopes e Sergio Luiz Hessel Lopes, além de André Fabio Mendes, Marinaldo José Rattes, Sergio Luis Seguro, Fernando Lacerda Cunha e Indianara Almeida Meira - todos denunciados. Segundo a assessoria do Gaeco, o Poder Judiciário já recebeu dez denúncias contra a organização por formação de quadrilha, falsidade ideológica, estelionato, e isso pode agilizar o processo. O tenente informou que a quadrilha tinha um padrão em suas ações, entre elas a formação de falsas empresas com laranjas nos quadros societários para golpes contra o Fisco e bancos. No ano passado a primeira versão da operação realizou 149 mandados de sequestros de bens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.