Ganhador da Mega Sena acusado de sumir diz que não dá R$ 1

Serralheiro alega que escolheu os números e reivindica metade do prêmio de cerca de R$ 28 milhões

16 Setembro 2007 | 23h12

O ganhador da Mega Sena que é acusado de ter sumido com cerca de R$ 28 milhões do prêmio, que seria repartido com o serralheiro Flávio Biassi, afirmou neste domingo, 16, que não vai dar "nenhum real, nem um centavo" do prêmio ao seu ex-funcionário, segundo informações do Fantástico, da TV Globo. O prêmio está bloqueado pela Justiça há mais de uma semana.   Mega Sena acumula e prêmio vai a R$ 6 milhões   Biassi, de 21 anos, afirma ter escolhido os números para que o patrão fizesse a aposta. Eles teriam combinado, informalmente, de repartir o dinheiro se os números fossem sorteados. "Não tenho porque dar, eu não devo a ele", afirma Altamir. Flávio afirma ainda que escolheu os números sorteados - 03, 04, 08, 30, 45, 54 - inspirado no celular da mãe dele: 8403-0454.   Altamir conta que, antes de apostar na Mega Sena, deu uma carona a dois de seus funcionários e afirmou que daria uma moto a cada um caso ganhasse. "Eu falei, eu depois eu vou jogar na loteria, caso se eu ganhar vou dar uma moto para vocês pararem de me incomodar, eu falei e eu levei eles para casa", contou.   A acusação de Flávio é de que o patrão só ofereceu a moto mais tarde, depois do sorteio, quando foi cobrar a metade do prêmio. "Conversei com ele pessoalmente, pedi para ele tudo e ele ofereceu uma moto de R$ 2 mil a R$ 3 mil". Já Altamir diz que escolheu os números a partir da sua data de aniversário e do dia do nascimento do filho - os dias 30/09/54 e 03/04/88.

Mais conteúdo sobre:
Mega Sena loterias

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.