Garçom confessa que participou do resgate de presos

Durou 12 horas a primeira fase do depoimento do auxiliar de garçom Carlos Eduardo da Costa Marto, que trabalhou no Restaurante Rubayat, local onde o prefeito Celso Daniel jantou antes de ser seqüestrado. Ele começou a ser ouvido ontem, às 17 horas, na Delegacia de Polícia de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, e só parou de falar por volta das 5 horas da manhã desta quinta-feira. O relatório sobre as declarações dele já soma 50 páginas.Carlos Eduardo confirmou que era dele o envelope encontrado num sobrado em Embu que estaria servindo para esconder pessoas seqüestradas. Ele confessou ainda que teve participação no resgate por helicóptero de dois presos que estavam na Penitenciária de Guarulhos.O deputado federal do PT, Luís Eduardo Greenhalgh, que está acompanhando as investigações sobre o caso, deixou o distrito por volta de uma hora. Aparentemente irritado, o parlamentar não quis falar com os jornalistas que estavam de plantão na polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.