Garota confessa 30 homicídios

Dois dos crimes conferem com boletins de ocorrência

Chico Siqueira, O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2009 | 00h00

O depoimento de uma adolescente de 17 anos, ontem, assustou a Polícia Civil em São José do Rio Preto (440 km de São Paulo). A garota, que tinha sido presa numa briga, na periferia da cidade, confessou ter assassinado 30 homens, todos a facadas, desde 2006. Os motivos seriam os mais variados: por dinheiro, vingança ou para fazer "justiça". Onze dos 30 homicídios foram relatados com detalhes e dois deles conferem com os boletins de ocorrência. A garota está sendo investigada como serial killer pela polícia de Rio Preto e de Aparecida do Taboado (MS), onde moram seus parentes e onde teria ocorrido a maioria dos homicídios. Em depoimento ao delegado Mauro Truzzi Otero, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Rio Preto, ela disse ter decidido confessar porque tinha peso na consciência e "para se livrar disso quando completar 18 anos". Os crimes foram praticados individualmente e com ajuda de comparsas. Todas as vítimas são homens adultos. Um deles seria um pedófilo. "Esse cara mexia com as meninas de 9 e 10 anos e nunca abusou de mim porque tinha medo", afirmou ela aos policiais, revelando detalhes do homicídio, como endereço e as circunstâncias do crime. "Ela contou que uma botina e a espingarda foram jogadas na calçada, o que de fato ocorreu mesmo", afirmou Otero. O delegado disse que é cedo para acreditar que a adolescente tenha praticado todos os homicídios, mas alertou para o fato de a menina ter revelado com detalhes 11 dos crimes. "O que temos de fazer é investigar, pois ela pode ser ou não a autora dos crimes", afirmou Otero. Na tentativa de confirmar sua confissão, a garota foi levada para Aparecida do Taboado na noite de ontem, onde será investigada pela polícia para apurar a verdadeira autoria de sete dos 11 crimes. Outros homicídios teriam ocorrido em Santa Fé do Sul (SP), Cáceres e Várzea Grande (MT) e Capelinha (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.