Garota que ficou paraplégica após tiroteio volta ao hospital

Dois dias após deixar Hospital Alvorada, a garota Priscila Aprígio da Silva, 13 anos, que ficou paraplégica após um tiroteio dia 28 de fevereiro em frente a uma agência do Itaú, em Moema, na zona sul do São Paulo, teve de retornar à entidade.Segundo boletim médico divulgado pelo Alvorada, Priscila foi internada às 19h15, com quadro de febre "e processo infeccioso, que será investigado". A jovem deve passar por exames na manhã desta sexta-feira e um novo boletim deve ser divulgado por volta das 11h.Priscila recebeu alta no início da tarde de terça-feira, já andando sozinha em uma cadeira de rodas. Na ocasião, o hospital informou que a adolescente tinha condições de sair da entidade desde a última quinta-feira, 8, mas os familiares não quiseram levá-la para casa enquanto não tiveram certeza de que a jovem teria a assistência adequada. O Itaú informou que vai arcar com as despesas de uma reforma para adaptar a casa da adolescente às suas necessidades e, na terça-feira, removeu Priscila para uma acomodação próxima ao Hospital das Clínicas, onde ela passará por tratamento de reabilitação com a equipe Doutora Linamara Rizzo Battistela.Priscila ainda receberá uma bolsa de estudos para curso universitário nas mesmas condições oferecidas às crianças e jovens que participam de projetos da Fundação Itaú Social. Ainda segundo o Itaú, o objetivo da bolsa de estudos é "incentivar a adolescente na superação do lamentável episódio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.