Garota que pichou Bienal volta a ser presa

Caroline é acusada de tentativa de furto de DVDs

Daniela do Canto e Lais Cattassini, O Estadao de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 00h00

Pouco mais de um mês após deixar a cadeia, para onde foi levada depois de pichar o "andar vazio" da 28ª Edição da Bienal de São Paulo, Caroline Pivetta da Mota, de 24 anos, foi detida em flagrante novamente. Desta vez, ela é acusação de tentativa de furto de DVDs. A jovem estava com Rafaela Medina Del Debbio, de 20 anos, e Amanda Natália Silva, de 22, quando deixava uma unidade das Lojas Americanas na região do Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo, no final da tarde de anteontem. Segundo a polícia, as imagens foram gravadas pelo circuito interno da loja e mostravam as jovens colocando DVDs em uma sacola e escondendo a bolsa na loja. O advogado de Caroline, Augusto Arruda Botelho, alegou que o furto não teria se caracterizado. Segundo ele, uma das amigas de Carolina resolveu furtar DVDs, mas depois se arrependeu e deixou o objeto no local, antes de sair da loja. "O que aconteceu lá dentro pode ser definido como ?arrependimento eficaz?. A menina pegou o DVD, colocou na sacola e desistiu de levá-lo, deixando lá no local, antes de sair", explicou. "Nada foi encontrado com elas, então não há a materialidade do suposto furto", acrescentou.O delegado Antônio Carlos Menezes, do 15º Distrito Policial (Itaim-Bibi), onde o caso foi registrado, não concordou com a versão do advogado e autuou as três jovens em flagrante. "Elas não deixaram a mercadoria no local, esconderam os objetos do furto", disse. Dentro da sacola, revestida de papel alumínio para driblar o alarme da loja, foram encontrados 18 DVDs. A unidade das Lojas Americanas informou que outros 63 objetos da loja, no valor de R$ 3 mil, estão desaparecidos.À tarde, Caroline foi conduzida de volta à Penitenciária Feminina de Sant?Anna, na zona norte. No dia 26 de outubro de 2008, Caroline foi detida em flagrante pichando o "andar vazio" da Bienal. Ela ficou presa por 53 dias. Deixou o cárcere no dia 19 de dezembro, após o Tribunal de Justiça reconsiderar o habeas corpus impetrado pela sua defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.