Garotinho acusa prefeituras pelas mortes no Rio

O governador do Rio, Anthony Garotinho(PSB), acusou hoje as prefeituras pelas mortes provocadas pelaschuvas que atingem o Estado desde domingo. Segundo ele, todas asvítimas fatais estavam em áreas de risco, onde ocorreramdeslizamentos de terra. "É preciso que as prefeituras coíbam asconstruções irregulares. Isso (a tragédia) teria sido evitado,se esse trabalho de fiscalização tivesse sido feito", disse. "Tudo bem que um barraquinho possa passar pelafiscalização, mas há casas de três andares em área de risco. Assim fica difícil." Garotinho disse que, em 28 de novembro, aDefesa Civil estadual enviou aos 92 municípios do Estado umofício alertando para as chuvas que poderiam cair no Rio e que oórgão estava a partir daquele momento à disposição dosprefeitos. "Nós orientamos, mas ninguém fez nada." Ogovernador criticou, em especial, os prefeitos José Camilo Zitodos Santos Filho, de Duque de Caxias (Baixa Fluminense), e CésarMaia, do Rio, que culparam o Estado pelo caos provocado pelaschuvas. "Essas pessoas deveriam ter mais maturidade e respeitopelo sofrimento alheio e cumprir o seu papel. Eu, no dia deNatal, deixei a minha família e meus filhos e fui me somar nocomando das operações, porque é o meu dever. Espero que essaspessoas façam o mesmo, e não fiquem mais com esse jogo deempurra", afirmou o governador.Culpas - De manhã, Zito havia culpado Garotinho pelos transtornosprovocados pelas chuvas, que, segundo o prefeito, não teriainvestido em obras de drenagem e, com isso, os rios da Baixadatransbordaram e alagaram as ruas de Caxias. O governadorrespondeu dizendo que investiu R$ 250 milhões em obras dedrenagem em todo o Estado e lembrou que, em Caxias, o bairro deImbariê foi um dos beneficiados. O bairro, porém, ficousubmerso. "Nós fizemos as obras de drenagem, mas o índicepluviométrico registrado foi muito alto. Não tinha como nãoencher", tentou explicar.Neste caso, Garotinho culpou mais uma vez a prefeiturade Caxias. Ele disse que a região mais atingida foi a de VilaAnhangá, conhecida por Imbariê 2. Segundo ele, trata-se de umloteamento irregular, cuja fiscalização deveria ter sido feitapor Zito.No seu rol de culpados, o governador também incluiuainda Concer, a concessionária que administra a BR-040 (Rio-Juizde Fora). De acordo com Garotinho, ao fazer obras de alargamentoda rodovia Washington Luiz, na altura de Caxias, aconcessionária não fez as obras de drenagem nos rios cortadospela estrada, o que teria represado a água e provocado enchentesem bairros próximos dali.Recursos - Garotinho anunciou que irá liberar R$ 15milhões para a construção de mil casas populares em Petrópólis,cujo o prefeito é do seu partido, o PSB. Quanto aos outrosmunicípios atingidos, ele disse esperar um relatório de cadaprefeitura para saber quanto deverá liberar de recursos. Ogovernador voltou a cobrar os R$ 7,2 milhões do governo federal,que deveriam ter sido liberados para reparos provocados pelaschuvas registradas no início de 2000."O ministro Ney Sussuana (Integração Nacional) disseque é outro ministro e que dessa vez sai. Então, que o dinheirosaia. Eu não vou cobrar nem os atrasados, até porque o Estado jábancou as obras. Espero que eles cumpram, só isso", ironizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.