Garotinho com Bastos, de mãos vazias e pichando o governo

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, disse hoje que o governofederal fala muito e faz pouco para diminuir a violência no País. "Acho que está na hora do governo federal falar menos e fazer mais . Não adianta ir a uma reunião de secretários de Segurança, prometer recursos e não liberar", disse Garotinho, que teve um encontro reservado com o ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, após a reunião do colegiado de secretários estaduais de Segurança Pública, que terminou no início da tarde no Ministério. Garotinho entregou ao ministro um oficio em que a governadora do Rio, Rosinha Matheus, pede o envio de tropas federais para ajudar no combate à violência. O ministro, segundo Garotinho, reafirmou que o serviço de inteligência do governo federal chegou à conclusão de que não há necessidade da presença do Exército na cidade, porque a situação da favela da Rocinha já está dominada. "Nós desde o início achávamos também que essa situação não era o que estava sendo retratada", afirmou Garotinho, acrescentando que não houve nenhum impasse entre a União e o governo do Rio por conta desse episódio. Ele criticou os veículos de imprensa, a quem acusou de editorializar as suas entrevistas. "Não houve nenhum impasse, porque o governo federal, com seriedade, ofereceu as tropas e o governo do Rio, também com seriedade, aceitou o oferecimento. Tudo foi feito em clima de respeito e entendimento. Não houve em nenhum momento nenhum tipo de ironia e acho estranho que algumas pessoas foram dizer que minha presença à frente da Secretaria de Segurança é pelo fato de querer buscar votos com isso. Existem outras maneiras menos arriscadas para procurar voto", disse. Para o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro o que houve na cidade foi uma briga de quadrilha, onde morreram "dois policiais, cinco bandidos e três pessoas inocentes". "Se essas três pessoas inocentes tivessem morrido na baixada fluminense não teria havido nada disso. Mas ocorreu na Zona Sul do Rio de Janeiro. Para os ricos há uma posição, para os pobres há outra", disse. Após o término da reunião com os secretários estaduais de Segurança Pública, o ministro Márcio Thomaz Bastos participou de almoço com o ministro da Defesa, José Viegas. Ainda hoje à tarde , o ministro dará mais uma entrevista coletiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.