Garotinho manda prender PMs envolvidos na morte de rapazes

Anthony Garotinho, secretário da Segurança Pública do Rio, determinou a prisão administrativa dos 24 policiais militares do Getam (Grupamento Especial Tático Móvel) suspeitos de envolvimento na morte de três rapazes, no último domingo.Três testemunhas das seis ouvidas até ontem confirmaram que os adolescentes Thiago de Souza Marques de Oliveira, de 15 anos, Leandro Celestino Rodrigues, 16, e Vladir Borges Furtado Barbosa, de 19 anos, foram colocados à força no carro do Grupamento Especial Tático Móvel da Polícia Militar (Getam), na noite de sábado, no Rio Comprido, zona norte. Os três foram encontrados mortos no dia seguinte com tiros na cabeça, em Inhaúma, longe de onde desapareceram. Nessa noite, dois comboios do Getam (um com quatro carros e o outro com três) patrulhavam a região. Na mesma noite, um bar que fica na esquina das ruas Barão de Petrópolis e Caetano Martins, no Rio Comprido, havia sido assaltado. Os parentes dos adolescentes afirmam que os rapazes tinham acabado de sair de uma festa junina, por volta de 23h30, na rua Caetano Martins, quando viram os PMs e fugiram com medo. Os três moravam no morro do Fogueteiro, próximo dali. ?Os policiais chegaram de carro atirando pela contra mão. Os meninos se esconderam debaixo de um carro, mas foram vistos pelos PMs e agredidos?, contou Márcio Jorge Bezerra dos Santos, de 22 anos, que é irmão de Thiago. Durante o enterro de Barbosa e Oliveira, que ocorreu às 14h30 de ontem, no cemitério do Catumbi, zona norte, o clima era de revolta. Amigos e parentes gritavam por justiça. Rodrigues foi sepultado pela manhã em outro cemitério. ?Só pegaram meu filho porque ele ficou com medo e se escondeu. Arrastaram ele que nem um cachorro?, disse a manicure Maria de Fátima Ferreira Borges, de 40 anos, mãe de Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.