Garotinho usa futebol para pedir mais ataque à polícia do Rio

Imitando as metáforas futebolísticas do presidente Lula, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, disse nesta quinta-feira que a polícia precisa atacar mais. "Quando você está ganhando, coloca um zagueiro ou um meio-de-campo para defender. Quando você precisa fazer gol, tira o zagueiro e bota o atacante", disse ele, ao justificar a saída do comandante da PM, coronel Renato Hottz, e a nomeação do coronel Hudson Miranda. O novo comandante informou que só falará no sábado, quando assumir o cargo.Hottz, que saiu derrotado por uma série de casos de corrupção e outros crimes envolvendo policiais militares de diversos batalhões e agora deve ir para a reserva, também não quis falar. Um dos casos em que PMs são suspeitos é o do seqüestro e assassinato do comerciante Mário Jorge Ferreira, de 29 anos. Ele teria sido levado de um shopping por policiais e apareceu morto dois dias depois numa favela.A polícia pediu a prisão de cinco PMs, mas a Justiça Militar ainda não a concedeu. Enquanto isso, os PMs continuam trabalhando, mas em serviços burocráticos. Apesar de carros da PM terem sido flagrados no estacionamento do shopping e de dois policiais terem sido reconhecidos, eles não chegaram a ficar presos administrativamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.