Garoto de 12 anos mata a avó a facadas no Rio

Em meio ao caloroso debate sobre a redução da maioridade penal no País, um crime chocante foi praticado por um garoto de apenas doze anos. D.C.S matou a própria avó a facadas em Japeri,na Baixada Fluminense, na madrugada desta sexta-feira, 15. Ele confessou o assassinato e disse que havia cheirado solvente antes de atacá-la. O menino foi detido. Segundo o juiz Guaraci Vianna, da Vara da Infância e Juventude, o assassinato de parentes por menores de idade já não é fato raro. "No ano passado, foram seis ou sete casos", contou. O juiz informou que este tipo de ocorrência normalmente tem ligação com drogas. "É a mola propulsora destes crimes. Ou o menor age sob efeito de drogas, ou objetiva comprar drogas, ou trabalha para o tráfico", explicou. Em janeiro de 2003, dois adolescentes foram presos por terem matado suas avós - um na capital e outro em Volta Redonda, no Sul Fluminense. Ambos tinham 16 anos e eram viciados em cocaína. Uso de drogas D. matou a avó dentro da casa dela, no centro de Japeri. Ele contou aos policiais que o detiveram que havia passado a tarde numa lan house, jogando. Também havia cheirado thinner. À noite, foi para a casa da avó, Ilsa Pereira da Silva, de 66 anos. D. não revelou por que a matou. De acordo com o delegado Henrique Faro, da delegacia de Japeri, o garoto disse apenas que tentou primeiro sufocá-la com um travesseiro. Em seguida, pegou uma faca na cozinha e desferiu-lhe golpes na barriga. A faca quebrou e ele voltou à cozinha, para pegar mais uma faca, com a qual cortou-lhe o pescoço. Depois de constatar a morte da avó, D. ainda arrastou o corpo para fora da casa. Foi quando vizinhos o avistaram e chamaram a polícia. Agora, seu destino depende de apreciação judicial. O delegado explicou que, por já ter doze anos completos, D. não é mais considerado criança pela Justiça - é adolescente infrator -, de modo que poderá ser encaminhado para uma instituição, para cumprimento de medida sócio-educativa.

Agencia Estado,

15 Fevereiro 2007 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.