Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Garoto morre após explosão de foguete em praia de Santa Catarina

Banhistas tentaram salvar a criança com massagem cardíaca

Marcone Tavella, especial para O Estado

09 Janeiro 2018 | 14h59

FLORIANÓPOLIS - Um garoto de sete anos morreu no último domingo, 7, após o disparo de um foguete na Praia de Cordas, em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis.

Murilo Theisen estava no mar com o pai, quando Gean Fabrício Hang, de 39 anos, disparou da praia o rojão na direção deles. Segundo testemunhas, o artefato explodiu na água, entre o menino e o pai. O homem foi contido pelos veranistas até a chegada da Polícia Militar.

Murilo foi retirado da água desacordado pelo pai e o helicóptero Arcanjo, do Corpo de Bombeiros, foi acionado. Segundo o comandante de operações aéreas, major George de Vargas Ferreira, quando a equipe de socorro chegou ao local, banhistas se revezavam fazendo massagem cardíaca no menino. Os bombeiros tentaram por mais meia hora, mas não houve sucesso.

Gean, natural de São José, foi levado à delegacia, mas acabou liberado no mesmo dia. De acordo com o delegado Alexandre Carvalho de Oliveira, não havia lesões no corpo da criança.

"O médico legista afirmou que a criança morreu por afogamento. Tinha água nas vias aéreas do menino. Portanto, não havia materialidade para manter o rapaz preso", justificou.

O caso será encaminhado à delegacia de Governador Celso Ramos, que poderá pedir novamente a prisão de Gean. O laudo cadavérico deve apontar se Murilo se afogou antes da explosão ou ao se proteger do foguete.

A família da criança é natural de Charqueadas (RS) e mora há seis meses em Palhoça. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.