Garoto que atirou em professora é absolvido

O estudante E.M.S.J., de 13 anos, foi absolvido, nesta quinta-feira, pela Vara da Infância e Juventude de Santo André da acusação de tentativa de homicídio.Ele feriu com um tiro uma professora dentro da sala de aula, no dia 3 de setembro. Após três horas de julgamento, a juíza Soraia Lourenzi determinou que o adolescente cumpra sentença por lesão corporal em regime de liberdade assistida por um ano.E. estava detido havia 37 dias em celas inadequadas de delegacias do ABC. Segundo seu advogado, Reinaldo Maio Teixeira, a Justiça entendeu que o adolescente não teve intenção de atirar contra a professora, Aparecida Maria dos Santos Veochi, de 44 anos. Ela também depôs durante a audiência.Aparecida perdoou o aluno e disse acreditar que o que ocorreu foi uma fatalidade. O incidente foi na Escola Estadual Professora Ordânia Janone Crespo, em Santo André.O diretor da escola, José Carlos Fernandes, disse que o menino poderá retornar às aulas. Segundo Fernandes, E. não era um aluno problemático.Para a mãe do adolescente, ele foi injustiçado. "Meu filho sempre foi um ótimo menino, não deveria ter ficado dentro de uma cela." Os pais temem que a permanência em distritos policiais deixe traumas.E. era um entre centenas de adolescentes que aguardam sentença abrigados de forma irregular em distritos policiais por determinação do Tribunal de Justiça (TJ) do Estado.O prazo máximo determinado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para permanência de infratores em estabelecimentos prisionais é de 5 dias.O TJ suspendeu por 40 dias, a contar do dia 11 de setembro, a entrada de infratores do interior e da Grande São Paulo na Unidade de Atendimento Inicial (UAI) da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem), por causa da superlotação do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.