Garra da Gaviões levanta Anhembi

Primeira a desfilar na noite de ontem, escola da torcida corintiana abriu festa paulistana em grande estilo

O Estadao de S.Paulo

02 de fevereiro de 2008 | 00h00

A Gaviões da Fiel, primeira escola a desfilar ontem em São Paulo, fez do Sambódromo do Anhembi uma cópia mais que fiel das arquibancadas do Pacaembu em final de campeonato. A escola, que contou no enredo a história de Santana de Parnaíba, Berço dos Bandeirantes, entrou na passarela às 22h55 e cumpriu o tempo definido para o desfile no limite - 65 minutos.Na comissão de frente, a Gaviões usou a figura do bandeirante Anhangüera. Um dos itens da fantasia era uma garrucha que deveria soltar fogo, mas a alegoria teve um defeito e as chamas não saíram.Sabrina Sato, uma das musas da escola, também teve problemas com sua fantasia. Seu bustiê se soltou no começo do desfile e ela seguiu segurando parte do adereço. "Pode ter quebrado o sutiã, que eu não ligo. O que importa é a Gaviões ganhar." Sabrina foi socorrida por dois cabeleireiros, que consertaram a fantasia. "O desfile foi incrível e essas coisas acontecem. Sem elas o carnaval não tem graça."Outro destaque da Gaviões, Fabiana Pieroccini, eleita a musa do samba paulistano pelos leitores do JT e do Portal Estadão, estava eufórica no fim da apresentação: "O desfile foi maravilhoso. A Gaviões veio para ganhar, com certeza."Mesmo grávida de 8 meses, a passista Sheila Silva, de 28 anos, assistente administrativa, não deixou o desfile da escola do coração de lado. "Fiz um ultra-som hoje às 5 da tarde, o médico viu a posição do Gustavo e me liberou. A Gaviões é o meu amor, mas a minha família é prioridade."A presença de ex-jogadores entre os 4 mil integrantes da Gaviões, como Biro-Biro, Serginho Chulapa e Basílio, emocionou a torcida. No fim do desfile, um pequeno tumulto quase estragou toda a festa. Faltando apenas 1 minuto para o término do horário, representantes da Liga das Escolas de Samba começaram a se preparar para fechar o portão que divide a pista da dispersão. Alguns diretores da Gaviões ficaram exaltados, mas a agremiação correu e terminou o desfile no tempo. A segunda escola a entrar no Sambódromo, às 0h15, foi a Acadêmicos do Tucuruvi. Com o enredo sobre a história do sorvete, 3.200 componentes e cinco carros, a escola também cumpriu o horário regulamentar, mas não empolgou o Anhembi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.