Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Gastão dá emenda a redutos eleitorais

De 4 cidades beneficiadas por R$ 2,5 mi, só 1 é considerada polo turístico pelo Estado

Daniel Bramatti e Fernando Gallo, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2011 | 00h00

O novo ministro do Turismo, Gastão Vieira (PMDB), deu prioridade a quatro pequenas cidades nas quais foi o candidato a deputado mais votado ao propor emendas ao Orçamento para infraestrutura de turismo no Maranhão.

Os municípios - São João dos Patos, Araioses, São Bento e Loreto - foram beneficiados por uma emenda de R$ 2,5 milhões no Orçamento de 2011, apresentada no fim do ano passado, após reeleição de Gastão. Nas quatro cidades, ele foi o líder disparado nas urnas, com mais de um quarto dos votos válidos - em Loreto, abocanhou 41% do eleitorado.

Das quatro localidades, apenas Araioses é citada no site oficial do governo do Maranhão para divulgação do turismo no Estado. Segundo Gastão, no entanto, todas as cidades têm "clara vocação" para o turismo. Ainda assim, o ministro admitiu que o resultado eleitoral influenciou a destinação dos recursos.

O Ministério do Turismo não exige que as cidades beneficiadas por emendas tenham atrações turísticas. Gastão prometeu se esforçar para mudar a situação, mas reconheceu que, no Congresso, não seguiu o critério técnico à risca. Como exemplo, citou a destinação de recursos para a construção de praças, com recursos do Turismo, "em cidades onde não há lazer".

O peemedebista disse que Loreto, cidade para a qual propôs a destinação de R$ 487,5 mil, recebe "milhares de romeiros" em uma festa religiosa anual, e que precisa de infraestrutura para acolher os visitantes. São João dos Patos foi qualificada pelo novo ministro como a "capital maranhense do bordado". Ele propôs beneficiar o município, onde teve 35% dos votos, com R$ 975 mil.

Gastão assumirá um ministério marcado pelo uso eleitoral e irregular de recursos públicos. Investigações da Polícia Federal e da Corregedoria Geral da República (CGU) constataram desvios e falhas em prestações de contas. No mês passado, 38 pessoas foram presas - e posteriormente liberadas - pela PF por suspeitas de envolvimento em um esquema de desvios. O ministro-chefe da CGU, Jorge Hage, defende o fim das emendas parlamentares como forma de coibir o mau uso de recursos públicos.

"Genérico". Na manhã de ontem, Gastão concedeu à rádio Estadão ESPN sua primeira entrevista como ministro, na qual amenizou o fato de não ter experiência na área e de ter sido indicado pelo presidente do Senado, José Sarney.

"Eu absolutamente não me considero um ministro genérico. Pelo contrário, sou uma pessoa que se preparou ao longo da vida para enfrentar desafios", disse Gastão, em referência a uma afirmação feita na véspera pelo do líder de seu partido na Câmara, Henrique Alves.

O novo ministro afirmou ainda que não vê como problema a sua ligação com Sarney. "Acho que eu tenho alguns predicados, além de, eventualmente, ser afilhado ou não do presidente José Sarney".

REAÇÕES

José Agripino

Presidente do DEM

"A presidente toma atitudes movida por denúncias da imprensa. Não se discutiu a qualificação (do escolhido)"

Rui Falcão

Presidente do PT

"(GastãoVieira) Tem experiência e traquejo. Acho que cumprirá bem sua missão"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.